Top Ad unit 728 × 90


Novidades

recent

Portugal não anda satisfeito... mas ao menos é sociável


«Os dinamarqueses são os mais satisfeitos com a sua vida e os húngaros os menos contentes com a sua, indica o índice Better Life da OCDE, hoje divulgado, no qual Portugal surge logo a seguir à Hungria.

Na segunda edição, o índice compara a qualidade de vida em 36 países com base em 11 critérios que vão desde os rendimentos, o emprego, a habitação, a saúde, a educação ou o ambiente. O objectivo, escreve a organização, é avaliar a qualidade de vida através de medidas que vão além do Produto Interno Bruto (PIB).

Entre as principais conclusões, a OCDE destaca o papel do emprego: "Ter um emprego é um elemento central do bem-estar. Bons empregos fornecem rendimentos, mas também formam a identidade pessoal e as oportunidades para relações sociais". E conclui que as taxas de emprego nos países da OCDE são relativamente baixas no sul da Europa e altas no norte e na Suíça. O desemprego de longa duração é virtualmente nulo na Coreia do Sul, no México e na Noruega e é quase o triplo da média da OECD na Estónia, na Eslováquia e em Espanha. Os japoneses e os australianos têm muito trabalho em part-time, mas preferiam um emprego a tempo inteiro, enquanto os chilenos e os polacos têm as maiores taxas de contratos temporários.

Os residentes do Luxemburgo têm, juntamente com os norte-americanos, os rendimentos brutos médios mais altos e a maior percepção de segurança no emprego (na Europa), enquanto os checos, os eslovenos, os polacos e os húngaros são os que mais temem perder o emprego. Os sul-africanos e os sul-coreanos são os que mais tempo passam nos transportes entre a casa e o trabalho, enquanto os irlandeses, os dinamarqueses e os suecos estão no extremo oposto, indica a OCDE, sublinhando que o tempo que se passa nos transportes é um elemento chave no equilíbrio entre o trabalho e a vida privada. Menos de 30 por cento dos trabalhadores europeus estão satisfeitos com este equilíbrio.

Os portugueses e os neozelandeses estão entre os povos mais sociáveis, com mais de 75 por cento dos inquiridos a relatar ter pelo menos um contacto com familiares ou amigos por semana. No extremo oposto surgem os polacos, os franceses e os húngaros, com baixos níveis de interacção social. Além de serem mais felizes, as pessoas que têm fortes redes de apoio também têm melhor saúde, vivem mais e têm mais probabilidade de arranjar emprego.

Os noruegueses, os finlandeses e os dinamarqueses estão entre os mais activos politicamente, com mais de 60 por cento a dizer ter contactado um político, assinado uma petição, trabalhado com uma associação ou participado numa manifestação no último ano. No extremo oposto, os turcos, os portugueses e os russos são os que têm menores níveis de activismo.»

Ler no Sol. Consulte todos os resultados aqui.
Portugal não anda satisfeito... mas ao menos é sociável Reviewed by Revista 21 on 19:00 Rating: 5

Sem comentários:

");
Todos os direitos reservados por Revista 21 © 2011 - 2015
Design por Sweetheme

Formulário de Contacto

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.